O que é Computação nas Nuvens? (Cloud Computing)

Texto teve como base o site do Eucalyptus

O que é Cloud Computing?

Cloud computing é o acesso a computadores e suas funcionalidades através da Internet ou uma rede local. Usuários que requisitam serviços na nuvem tem acesso a partir de um conjunto de serviços web que gerenciam um pool de recursos computacionais (isto é, máquinas, rede, armazenamento, sistemas operacionais, ambientes de desenvolvimento de aplicativos, programas de aplicação). Quando concedido, uma fração dos recursos disponíveis é dedicada ao usuário solicitante até que este seja liberado. Ele é chamado de “cloud computing” porque o usuário não pode realmente ver ou especificar a localização física e organização dos equipamentos de hospedagem dos recursos até que os usuários tenham permissão para usar. Ou seja, os recursos são provenientes de uma “nuvem” de recursos quando estes são concedidos a um ou mais usuários e volta para a nuvem quando são liberados. A “nuvem” é um conjunto de máquinas e serviços web que implementam a computação em nuvem.

Qual é a relação entre virtualização e computação em nuvem?

Virtualização é a capacidade de executar “máquinas virtuais” em cima de um “hypervisor” assim como o VMWare. Uma máquina virtual (VM) é uma implementação de software de uma máquina (ou seja, um computador) que executa programas como uma máquina física. Cada VM inclui o seu próprio kernel, sistema operacional, bibliotecas de suporte e das aplicações. Um hypervisor fornece uma abstração uniforme da máquina física subjacente. Várias máquinas virtuais podem ser executadas simultaneamente em um único hypervisor. A dissociação da VM a partir de um hardware físico permite que a mesma VM seja executada em diferentes máquinas físicas. Assim, a virtualização é visto como um facilitador para a computação em nuvem, permitindo que o provedor de computação em nuvem tenha flexibilidade necessária para se mover e alocar os recursos de computação solicitados por usuários onde quer que os recursos físicos disponíveis estejam.

Como são classificadas as nuvens?

Dada a definição do termo “nuvem”, a taxonomia atual as diferencia, tanto em termos de ofertas de serviços quanto de tipos. Ao categorizar as ofertas de serviços em nuvem, muitas vezes, referem-se em termos de “estilo de serviço”, dependendo da parte da pilha de software fornecido como um serviço. Os estilos de serviço mais comum são referido pelos acrônimos IaaS, PaaS e SaaS. Alguns tipos (incluindo públicas, privadas e híbridas) referem-se a natureza do acesso e controle com relação ao uso e provisionamento de recursos físicos e virtuais.

Quais são os estilos mais popular serviço nuvem?

IaaS
Nuvens IaaS (Infrastructure as a Service) proporciona o acesso a coleções de recursos do computador virtualizado hardware, incluindo máquinas, rede e armazenamento. Com IaaS, os usuários podem montar seu próprio cluster virtual. Eles que são responsáveis ​​pela instalação, manutenção e execução dos softwares.
PaaS
PaaS (Platform as a Service) fornece acesso a uma programação ou ambiente de execução com computação escalável e de estruturas de dados incorporado. Com PaaS, os usuários desenvolvem e executam suas próprias aplicações dentro de um ambiente oferecido pelo prestador de serviço.
SaaS
Nuvens SaaS (Software as a Service) fornece acesso a coleções de programas de aplicação de software. Provedores de SaaS oferecem aos usuários acesso a programas de aplicação específica controlado e executado em infra-estrutura do provedor. SaaS é muitas vezes referida como “Software on Demand”.

Porque usar Cloud Computing?

Computação em nuvem é visto por alguns como um modelo para o futuro da distribuição e acesso de recursos de computação, pois oferece as seguintes vantagens potenciais:

  • Self-service de provisionamento: Permite que os usuários possam implantar seus próprios conjuntos de recursos de computação (máquinas, de rede, armazenamento, etc) quando necessário, sem os atrasos e complicações normalmente envolvidas na aquisição de recursos; TI suporta personalização e melhoria contínua da experiência do usuário nuvem, enquanto monitoramento, gerenciamento e expandindo, conforme necessário a infra-estrutura cloud subjacente.
  • Escalabilidade: separa as necessidades flutuantes de usuários individuais a partir de restrições de infra-estrutura típica, portanto, facilmente acomodar o rápido aumento ou diminuição na demanda de recursos.
  • Confiabilidade e tolerância a falhas: a TI pode se concentrar em melhorar peças críticas de infra-estrutura para atingir pré-determinados níveis de confiabilidade. Políticas de segurança e de confiabilidade podem ser continuamente reavaliados e atualizados sem intervenção do usuário.
  • Otimização / Consolidação: Maximiza o uso e aumenta a eficiência dos recursos de infra-estrutura existente. Estende-se do ciclo de vida da infra-estrutura. Reduz despesas de capital.
  • QoS (Quality of Service): permite que a TI de forma dinâmica reavaliar o SLA associado a usuários ou grupos de usuários para os recursos alocados. Permite a organização reagir rapidamente às mudanças de condições, sem envolvimento dos usuários desnecessários ou prévio conhecimento.
  • API bem definida: Usando uma estrutura padrão bem definida e estável, a API evita lock-in e garante a interoperabilidade com um número cada vez maior de ferramentas e fornecedores de serviços da nuvem.
  • Disponibilidade conforme a necessidade: Alinha o bom uso de recursos com o uso de recursos reais, permitindo assim a organização pagar apenas os recursos necessários, quando estes são necessários.

Argumentos favoráveis ao uso do Cloud Computing

Há diversas linhas de raciocínio argumentativo para a defesa do Cloud Computing, mas todas se consolidam em alguns pontos:

Elasticidade sob demanda: Ao contrário da contratação física de servidores, como já há um pool de máquinas, ou seja, uma estrutura de computadores pronta para ser utilizada, a computação em nuvem permite que você aumente ou diminua os recursos do seu servidor em segundos. Em comparação com servidores dedicados, por exemplo, este tipo de alteração poderia demorar horas, talvez até dias;

Economia de custos: Há um melhor aproveitamento dos recursos dos servidores, que, uma vez trabalhando em conjunto, permitem a utilização total de memória, processamento, espaço em disco, etc. A estrutura da computação em nuvem permite que, automaticamente, a sua demanda seja distribuída entre as máquinas que compõem a rede – chamada de nuvem;

Velocidade: Quanto mais entramos no mundo digital, percebemos que a velocidade é fundamental para tomadas de decisões, sejam positivas ou negativas. Tudo na computação em nuvem é interligado e permite imediata interação, mudanças são aplicadas na hora em que enviadas e um melhor aproveitamento do tempo também é sentido.

Basicamente a computação em nuvem consolida três grandes necessidades da tecnologia deste nosso século: Autonomia com agilidade e alta redução de custos, frase que todo mundo gosta de ouvir!

Notice: This work is licensed under a BY-NC-SA. Permalink: O que é Computação nas Nuvens? (Cloud Computing)

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

question razz sad evil exclaim smile redface biggrin surprised eek confused cool lol mad twisted rolleyes wink idea arrow neutral cry mrgreen

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>